sexta-feira, 25 de outubro de 2013

PROFISSÃO BIBLIOTECÁRIO - 9ª menos estressante

Todo ano, o site americano CareerCast.com publica sua lista com as profissões mais e menos estressantes. O ranking de 2013 foi divulgado recentemente. A carreira com menos estresse é a de professor universitário, enquanto a lista das profissões mais estressantes é encabeçada pelos militares. Vale lembrar que, como a lista é elaborada nos Estados Unidos, pode haver alguma diferença entre as condições e os ambientes de trabalho lá e cá, assim como nas remunerações. Confira o ranking abaixo. ...


9º | Bibliotecário: a atmosfera calma e o acesso ilimitado à literatura faz com que os bibliotecários tenham uma carreira atraente, de acordo com o CareerCast. Eles têm possibilidade de seguir carreira em escolas, universidades, bibliotecas municipais e em pesquisa corporativa. Nos Estados Unidos, os ganhos giram em torno de R$ 111 mil por ano.

acompanhe toda a matéria em...

terça-feira, 22 de outubro de 2013

segunda-feira, 21 de outubro de 2013

ANOTAÇÕES DE RABISCO




Montagem de Inajá Martins de Almeida sobre os comentários do Editor João Scortecci encontrados no facebook 

sábado, 5 de outubro de 2013

O PROFISSIONAL BIBLIOTECÁRIO, AS CINCO LEIS DA BIBLIOTECONOMIA E O PROGRAMA RIBEIRÃO DAS LETRAS


 Por Inajá Martins de Almeida

Durante a 3ª Feira do Livro da cidade de Ribeirão Preto – agosto de 2002 – quando então Coordenadora do Projeto Bibliotecas do Programa Ribeirão das Letras da Secretaria da Cultura, deparei-me com uma pergunta que me fez repensar sobre meu papel dentro da Biblioteconomia.
Num dos estandes, uma das livreiras, questionando minha paixão pelos livros, perguntou-me o porquê haver escolhido tal profissão, dado o entusiasmo com que desempenhava as atribuições que me foram conferidas e a familiaridade com que tratava o livro.

Parei um momento; jamais pensara nisso – era-me natural estar entre livros – porém, mesmo tomada de sobressalto, rapidamente respondi-lhe, formulando um conceito que passei a incorporar em meu currículo:

– Em primeiro lugar, tornei-me Bibliotecária, por opção – sim opção – porque pensara seguir a área da advocacia, entretanto, por falta de opção de escola em minha cidade, e pela dificuldade em ausentar-me dela, optei pela Biblioteconomia e Documentação; em segundo lugar por paixão – pois não fora difícil apaixonar-me pelas aulas de literatura, história do livro, cultura artística e científica e tantas outras, magistralmente ministradas pela drª e profª Carminda Nogueira de Castro Ferreira – Dona Carminda como carinhosamente a tratávamos – assim como pelas inúmeras matérias técnicas, catalogação, classificação, referência e seleção bibliográfica, entre outras; em terceiro e último, por convicção – sim convicção – posto que decorridos os anos, já não pudera mais optar por outra formação a não ser a de Bibliotecária.

Estava convicta de que optara pela profissão certa. A advocacia entraria em minha vida sob formas várias – nas organizações de bibliotecas, nas assessorias junto a advogados, nas empresas que atuava – e não me motivaram a querer agregar mais uma formação; queria sim desbravar mais e mais o universo da Biblioteconomia, e o faço até hoje.

Ah! Os livros - desde cedo acostumei-me aos livros (ALMEIDA, 1) – amava-os – eles me desvendavam horizontes inimagináveis; proporcionavam-me quebrar barreiras, abrir portas, aprender, criar, deslumbrar, vibrar.

Eles – os livros – levavam-me mais longe ainda; agora eu podia tê-los, em grandes quantidades, nas mãos. Era-me dado o direito de passear através dos seus conteúdos; conhecê-los, estudá-los, transformá-los numa linguagem informacional, para, então colocá-los nas mãos dos leitores, seus usuários.

Ah! Que prazer senti-los bem perto, conhecer seus autores, seus editores; percorrer seus prefácios e sumários, ler suas orelhas, valer-me de ferramentas técnicas para as transformar em informação. Sim, tudo isso me dá prazer incalculável; leva-me a desafios inimagináveis; aguça mais e mais meu senso crítico - este é o mundo mágico da leitura.
A partir de então, a quem me questiona sobre minha formação, esclareço que fora a opção, a paixão e a convicção que me motivaram a atuar na área da Biblioteconomia e auferir de benéficos prazeres no desenvolvimento do trabalho; mais ainda, o contato com os livros, com seus escritores, levaram-me a ensaiar textos, criar falas, contar histórias – a leitura me levou ao gosto pela escrita, quando então, movida por inspiração de poeta, passo a declinar: – “Dê-me uma meada de lã e eu teço um agasalho; dê-me uma palavra e eu formulo uma frase; dê-me uma frase e eu escrevo um texto; dê-me um texto e eu componho um livro”. (ALMEIDA, 2)
A partir desse momento, o texto - O ato de ler – passa a fluir solto, permeando falas, conceitos vários, compilações de leituras diversas, adaptadas no discorrer do verbo. Pude então depreender que “todo escritor é antes de tudo um leitor”, como nos exorta o acadêmico Moacyr Scliar (SCLIAR), e que "a leitura torna o homem completo; a conversação torna-o ágil e o escrever dá-lhe precisão" segundo Francis Bacon.
Nessa jornada – entre livros – passei por diversos tipos de bibliotecas tanto particulares, quanto de empresas pequenas e grandes, assim como escolares desde a infantil, juvenil a universitárias. Universos que se descortinaram à minha frente, para me fornecerem subsídios nos diversos saberes do conhecimento humano.
Além do mais, minha formação em Biblioteconomia possibilitou-me participar da implantação de bibliotecas, dentro do Programa Ribeirão das Letras, promovido pela Secretaria da Cultura da Prefeitura Municipal de Ribeirão Preto, num período de trinta meses, que, embora célere, transformou minha vida profissional – abriu-me novas perspectivas no grande leque da palavra e do saber.
Projeto ousado, cujo idealizador o Jornalista, Professor, então Secretário da Cultura da Prefeitura Municipal de Ribeirão Preto, Galeno Amorim, vislumbrava a implantação de 80 bibliotecas em locais onde se fazia necessário, dado a precariedade de acesso a livros, leitura e informação. A mim, como coordenadora de bibliotecas, competia desenvolver projetos ligados à contratação e capacitação de estagiários, estímulo e incentivo a leitura e, principalmente, a abertura de bibliotecas.
Nesse momento, voltava ao passado e rememorava minhas aulas de referência bibliográfica, na então Escola de Biblioteconomia e Documentação de São Carlos (atual UFSCAR), no início da década de 70, quando nos era apresentado um personagem ilustre que marcou seu tempo, ao abrir bibliotecas e formular a célebre teoria sobre as Cinco Leis da Biblioteconomia: Shialy Ramamrita Ranganathan.
Pude então perceber que:
“O que foi é o que há de ser; e o que se fêz, isso se tornará a fazer; nada há, pois, novo debaixo do sol. Há alguma coisa de que se possa dizer: Vê, isto é novo? Não! Já foi nos séculos que foram antes de nós. Já não há lembrança das coisas que precederam; e das coisas posteriores também não haverá memória entre os que hão de vir depois delas”. (ECLESIASTES)
Assim como nada é novo, criar bibliotecas, voltar-se para o papel da leitura na formação do cidadão(ALMEIDA, 3), já fazia parte dos anseios de Ranganathan, quando, preocupado com o ensino e pesquisa em seu país, promove campanha para melhorar a biblioteca da Universidade de Madras – Índia – onde se formara em 1916 e fora professor. Essa ocorrência, contudo, iria mudar o curso de sua vida, assim como da Biblioteconomia em si.
Semelhantemente a esse fato, os quatro anos – 2000 à 2004 – serviriam também para transformar o ritmo de uma cidade interiorana de porte médio – Ribeirão Preto.
Foi um momento “efervescente”, segundo Galeno Amorim, onde se falava em livros e bibliotecas, na mesma proporção em que projetos culturais se desenvolviam nos quatro cantos do município.
Música, dança, teatro, ônibus biblioteca circulando, levando consigo além dos livros, atividades de contação de histórias, incentivo a prática artística várias, elaboração de textos; escritores que se apresentavam em escolas, proporcionando o clímax nas crianças, ao verem-nos saírem das páginas e se apresentarem em carne e osso; cafés filosóficos com personagens e temas polêmicos (o ponto mais marcante, na minha concepção, foi a presença do saudoso Waly Salomão, com sua fala autêntica, desmistificada, irreverente) enfim, vivia-se a leitura em suas diversas formas.
Marcos de Moura e Souza noticia: – “projeto multiplica número de livros em Ribeirão e muda o padrão de leitura da população”(SOUZA); este era o Programa Ribeirão das Letras.
Se o curso da vida de Ranganathan, a partir desse momento, tomaria outros rumos, não fora diferente para Galeno Amorim, tampouco para mim; aquele, alça então vôo alto, como só as águias podem fazê-lo; eu, juntamente com alguns incentivadores da leitura, montamos a ONG Educare est Vita, volto ao cenário das bibliotecas, agora como monitora, além do que descubro um lado até então encoberto – o da escrita – momento em que passo a escrever textos sobre leituras e bibliotecas; vez ou outra disponibilizo em sites vários através da internet.
Estímulo maior ainda, passo a ter, quanto então vejo meu texto “O Ato de Ler”, publicado no www.amigosdolivro.como.br, ser indicado como tema motivador para a redação “O poder da transformação da leitura”, no exame do ENEM 2006, juntamente com “O poder das letras” de Moacyr Scliar, mais ainda, quando a Revista o publica em sua edição comemorativa.
Ranganathan, entretanto, em Londres, vai obter sua formação em Biblioteconomia, quando se depara com W. C. Berwick Sayers – um dos seus professores – que logo percebe seu potencial criativo e o incentiva ao campo investigativo, posto que, dizia ser a Biblioteconomia "uma área que possuia como peculiaridade a criação; o que aprendemos na Universidade e nos livros são somente os princípios". (CAMPOS)
Acatando as palavras do professor e incentivador sai a campo, mas logo se vê num grande questionamento:

"Não seria possível reduzir todos os agregados empíricos de práticas e informações a um punhado de princípios básicos? Não seria possível aplicar o processo de indução neste caso? Não seria possível alcançar todas as práticas conhecidas pelo processo de dedução de algum dos princípios básicos? Não contém os princípios básicos, como implicações necessárias, muitas outras práticas não correntes ou conhecidas no presente? Elas não se tornarão necessárias, como e quando mudarem as condições-limite colocadas pela sociedade?" (Ranganathan, Prolegomena) (CAMPOS)

Detentor de espírito investigativo, a partir das observações do trabalho e prática, que a Biblioteconomia proporcionava, passa a teorização, quando então desenvolve as Cinco Leis, as quais iriam nortear todo o trabalho da Biblioteconomia.
Ao encontrar-se com antigo professor de matemática, eis que relata suas ansiedades pela busca incessante de resultados e, tomado de assalto, Edward B. Ross, orienta-lhe a formular sua primeira lei “livros são para serem usados"(CAMPOS).
As outras quatro logo seriam declinadas (“a cada leitor o seu livro”, “a cada livro o seu leitor”, “poupe o tempo do leitor”). Este fato ocorreu em 1928 e em 1931 sai publicada a primeira edição do livro "As Cinco Leis da Biblioteconomia"; no mesmo ano criava-se o primeiro Curso de Biblioteconomia na Índia.
Quando pensamos nos livros como fonte de informação, logo nos vêm à mente os recursos que devemos utilizar para a satisfatória transmissão do conhecimento. Assim, registros, organização, armazenagem, preservação, devem ser pontos perceptíveis para a transmissão de conhecimento para as gerações vindouras, e o Bibliotecário se torna a ponte entre a informação e o usuário.
Entretanto, muito embora todo ser humano tenha o direito de ser leitor em potencial,  Ranganathan bem sabia que nem todos poderiam ter acesso à informação, pelo simples fato de a desconhecerem, assim, tornava-se imperioso que meios fossem disponibilizados para que o usuário chegasse ao conhecimento.
Se naquela época esse fato era marcante, nos dias atuais não vemos tanta diferença; muito embora vivamos em plena era da informação, tanto na Índia, quanto no Brasil e em inúmeras localidades do mundo – ainda que globalizado – muitos, jamais pisaram uma biblioteca, outros, sequer viram um livro em sua frente. Esta ainda é nossa realidade. Portanto, ter acesso a livros e bibliotecas, muitas vezes torna-se uma questão de vontade política.
Foi assim pensando, que Galeno Amorim – quem sabe, até mesmo desconhecendo Ranganathan – partiu a campo e legou à sociedade um projeto audacioso de criação de 80 bibliotecas num período de quatro anos – 2000 à 2004. 
Eu, contudo, estudara as teorias de Ranganathan e comentava com Luis Eduardo Mendes – assessor de Galeno – que me sentia como aquele Bibliotecário hindu, quando preocupado com a formação do público leitor, via-me compartilhar esse sentir e, no afã de levar conhecimento aos mais recônditos lugares, saia a campo – dado a autoridade que me fora conferida –  indicava perspectivas, buscava parceiros, abria espaço, instalava uma biblioteca – para alguns, mais exigentes, com o que podemos chamar de biblioteca, apenas uma sala de leitura.
Enfim, não importa, se bibliotecas, mini-bibliotecas, ou salas de leitura, o que importa salientar, é que elas aconteceram e, puderam trazer um novo sentido, aos ânimos de uma população, sedenta em desbravar o mundo encantado dos livros e da leitura.
Hoje, contudo, mesmo que algumas delas estejam desativadas, suas portas fechadas, a semente  lançada em solo fértil – do livro e da leitura –  jamais deixará de dar seus frutos; de minha parte, jamais tive dúvida da repercussão do grande Programa implantado, tanto que, ao voltar – agora não mais como Coordenadora, mas sim como Técnica, juntamente com outras cinco Bibliotecárias – não meço esforços para legar à população, bibliotecas informatizadas e preparadas para a pronta recuperação da informação, porque  “a educação de um povo é uma vontade política”(CAMPOS), segundo palavras do nosso personagem Ranganathan, quando a questionar nos premia com sua segunda lei.
Quando pensamos na possibilidade de que cada leitor tenha seu livro, vislumbramos o livre acesso ao conhecimento. Neste ponto o papel do Bibliotecário se torna fundamental, posto que ele passa a ser o mediador entre o leitor e a informação – entra aqui o Bibliotecário, não mais como simples técnico, mas também como educador, o qual se completa com o enunciado da 3ª lei.
Aqui o Bibliotecário, além de facilitador da informação, deverá ter plena consciência do seu papel social e de educador, fornecendo aos leitores informações adequadas às suas necessidades, respeitando suas individualidades.
Esse respeito é o que propõe Ranganathan quando menciona os diversos tipos de usuários, assim como diferentes bibliotecas e formas de organização do acervo. 
Mais uma vez me deparei com semelhanças no Projeto Bibliotecas do Programa Ribeirão das Letras – diferentes tipos de bibliotecas para diferentes grupos de pessoas: bibliotecas escolares, de entidades de classe, de filantropia, de sindicatos. Uma voltada a cegos, com acervo em braile, outra voltada a teatro, com peças e literatura da área, outra dando ênfase maior a literatura infantil, e assim por diante.
Aos poucos, cada biblioteca ganha cara própria”(SOUZA), noticia então a imprensa. Embora possuidoras de acervo básico, comum a todas, nas peculiaridades individualizava-se, enquadrando-se nitidamente na 3ª lei de Ranganathan que, levada à lume nos idos 1931, parecia-me atual nos primórdios do século XXI.
Estava eu experimentando e vivenciando o mesmo que Ranganathan em sua época.
A organização, contudo, iria assegurar a 4ª lei, uma vez que biblioteca não se caracteriza por ser depósito de livros e sim um ambiente vivo e vibrante, onde pulsa o conhecimento.
Agora a preocupação de Ranganathan era disponibilizar veículos adequados para que a informação estivesse nas mãos dos usuários, em tempo oportuno.
Técnicas deveriam ser utilizadas pelo Bibliotecário, no intuito de dinamizar e agilizar a recuperação da informação para o leitor.
Embasada na adaptação e criação de métodos estabelecidos, não dispondo – ainda – de recursos informacionais, incorporamos a fala de Ranganathan e a introduzimos ao Projeto Bibliotecas do Programa Ribeirão das Letras, nesse primeiro momento, posto que, segundo Galeno, “ou criávamos as bibliotecas para depois prepará-las tecnicamente, ou não as criávamos: optamos, então, por criá-las”.
Após essa fala, clara e objetiva, como Bibliotecária, assumindo a Coordenadoria do Projeto, percebi que o desafio, que se descortinava, iria abalar a sociedade e repercutir fora das quatro paredes do município. Realmente o Projeto ganhou projeção nacional e na América Latina, mesmo com as falhas naturais de um grande Programa de implantação de bibliotecas.  
Ranganathan incentivava então o Bibliotecário a não aceitar simplesmente ser um disseminador de informação, com profundos conhecimentos técnicos, mas, sobretudo, valer-se de novos métodos e instrumentos, para levar essa mesma informação ao usuário.
Se Ranganathan objetivava tal conduta – tal prática – lá estavam as bibliotecas do Programa Ribeirão das Letras, sendo tratadas sob diversos aspectos, levando informação à comunidade, assim como lá estava eu, apoiando e incentivando esses espaços que, agora, eram reais – haviam saído do papel; ganhavam vida, claro, sob o aval de Galeno Amorim.

José Mindlin, numa de suas visitas à nossas bibliotecas dizia que para ele o importante era ter acesso à informação e ao livro, não se preocupando com as regras rígidas da Biblioteconomia, não que essas não fossem necessárias e facilitadoras, contudo, a posse do livro e sua leitura, tinha maior significado. Apoiava completamente o trabalho que estava sendo desenvolvido.

Assim, mais um grande homem dos livros – o maior bibliófilo e acadêmico brasileiro – preocupava-se com o destino dos livros – claro, nas mãos dos usuários – do que propriamente com a técnica dispensada para colocá-los em suas mãos.
Hoje, bem sabemos que dispomos de recursos informacionais de ponta, onde com a utilização de computadores, informações são armazenadas e recuperadas prontamente – a Internet diminui distâncias; Ranganathan, entretanto, sequer sonhava com a utilização dessa tecnologia, eu tampouco, em minha época de estudante, idos de 1970, jamais pudera supor valer-me e usufruir de tais avanços, todavia, evidenciava nesta 4ª lei, que o Bibliotecário não aceitasse métodos e técnicas estabelecidas, porém que os criasse e os adaptasse aos interesses dos usuários.
Assim, seguia o Programa que, mesmo na era da informação, da tecnologia, valia-se de recursos técnicos básicos, para não perder o objetivo e foco central – disponibilizar bibliotecas e livros aos quatro cantos da cidade.   
Ele – Ranganathan – não pode usufruir das facilidades que os meios informacionais trariam para a Biblioteconomia, eu, contudo, hoje não me vejo sem essas ferramentas, as quais se tornam imprescindíveis e indispensáveis para o desempenho do profissional Bibliotecário, na disseminação da informação.
Entretanto, mesmo que, por algum motivo ou razão, utilizemos métodos empíricos no trato das bibliotecas, jamais poderemos nos distanciar da 5ª lei, que já pensava na biblioteca como uma organização em franco desenvolvimento e crescimento, e o Programa deixou uma abertura que o permitiria estar inserido na tecnologia atual. Hoje, algumas dessas bibliotecas estão sendo informatizadas.
Com esse enunciado, Ranganathan lega-nos seu Método Científico que se caracteriza por um movimento sem fim em espiral.
Assim, se a biblioteca é um organismo em constante movimento e desenvolvimento, o Bibliotecário deverá ter bem definido seu papel como educador, mais do que disseminador da informação.
Com minha experiência em diversos locais e trabalhos em bibliotecas, deparei-me com situações que me propiciaram usar e abusar das Cinco Leis da Biblioteconomia.

Muitas vezes criticada, posto que me apartava das regras rígidas da catalogação, não encontrava dificuldades em fornecer informações precisas, quando estas eram buscadas pelos usuários, não me importando quais os recursos que usara para a finalidade a que me propusera – legar informação.

Não me intimidava ao jogar palavras nos programas de computadores, muitas das vezes idealizados por mim, para facilitar o acesso à informação. Algumas dessas iniciativas, custaram-me o posto, porém, não conseguiram extirpar meu senso criativo, o prazer, o gosto e o zelo de tratar o usuário individualmente, ao contrário, fortaleceu ainda mais minha crença no conceito da opção, paixão e convicção. Afastaram-me do cargo, porém, abriram-me novas perspectivas.

Percebo hoje que os profissionais estão mais preocupados com os termos pelos quais deverão ser distinguidos profissionalmente: uns Cientistas da Informação, outros Biblioteconomistas, outros tantos Profissionais da Informação eu, contudo, gosto e faço questão de ser abordada como Bibliotecária e, creio ser o termo mais adequado para individualizar o profissional da área da Biblioteconomia.  

Acima de qualquer denominação, o importante são os valores e o significado que aplicamos a disseminação da informação, tanto quanto o trato e respeito para com a individualização do leitor, pois nosso papel na sociedade tem essa função – social, educacional, disseminadora – uma vez que detemos conhecimento em nossas mãos.

Podemos com ele – o conhecimento – transformar, interagir, trazer à lume aqueles que estavam, por desconhecimento, vivendo no obscurantismo do saber.

Podemos ser partícipes de processos de transformação – conosco detemos o conhecimento e este é moeda corrente.

Podemos caminhar livremente – contar história, fazer história, relatar a história, ser, enfim, a própria história – posto que “os livros nos tornam livres”, segundo o conceito imortalizado por Monteiro Lobato, e nos fazem voar com asas de águia.

Podemos sim – e porque não – sermos Ranganathans do século XXI. Eu o fui e, continuo sendo.


Bibliografia consultada:

ALMEIDA, Inajá Martins de.   Livros.   In: http://www.paralerepensar.com.br/inaja_livros.htm e http:www.amigosdolivro.com.br
_______ .   O ato de ler.  In: http://www.amigosdolivro.com.br
_______ .   O papel da leitura na formação do cidadão.   In: http:www.ofaj.com.br
BÍBLIA SAGRADA.  O Eclesiastes 1:9/11
CAMPOS, Maria Luiza de Almeida.   As cinco leis da biblioteconomia e o exercício profissional.  In:  http://www.conexaorio.com/biti/mluiza/index.htm
SCLIAR, Moacyr.   O poder das letras.  In: TAM MAGAZINE. jul.2006, p.70, com adaptações
SOUZA, MARCOS DE MOURA E.   Mais bibliotecas. Com elas novos leitores.  In: O Estado de São Paulo, 7.12.2003. 

  

BIBLIOTECA NO MUSEU DO FUTEBOL EM SÃO PAULO



"Este cara tem a maior 
biblioteca de futebol"

 palavras do prof. Medina ao se referir a Domingos D'Angelo"


Matérias de importância para o universo biblioteconômico.
Detentor de biblioteca particular especializada em futebol, agora o acervo agrega o Museu do Futebol no estádio do Pacaembu. 
Belíssima iniciativa do seu organizador, o qual durante mais de quarenta anos dedicou a vida a colecionar história. Riqueza incalculável. 




Algumas matérias foram selecionadas e podem registrar o fato, uma vez que esta que esta que tece estas linhas, tivera na figura do pai Nelson Martins de Almeida - historiador - o gosto por retratar o futebol no legado do seu Álbum Futebolístico de São Paulo, edição única 1957,  em suas 800 páginas. 




"É o primeiro centro de referência público do País e o objetivo é facilitar o trabalho de pesquisadores, estudiosos, do conhecimento. Ele também traz acervo privado, que é catalogado, com biblioteca e midiateca. É pesquisa, entretenimento e a paixão pelo futebol, tudo isso junto", afirmou Alckmin....LEIA A MATÉRIA EM...


O Museu do Futebol, que funciona no estádio do Pacaembu, agora conta com uma biblioteca pública exclusiva sobre futebol. Trata-se do Centro de Referência do Futebol Brasileiro (CRFB), inaugurado nesta sexta-feira.
O acervo conta com 1.700 livros, 155 referências para a prática do futebol mapeadas na cidade de São Paulo, entrevistas com cerca de 260 pessoas ligadas ao esporte e uma catalogação de 493 instituições, de clubes de futebol profissional e amador, torcidas organizadas e estádios. Todo esse material está disponível gratuitamente ao público... ACOMPANHE TAMBÉM ...
Domingos D'Angelo é antes de tudo um apaixonado pelo "jogo de bola".  Membro-fundador do MEMOFUT, nosso entrevistado pode ser considerado o "José Mindlin do futebol". Dono de uma biblioteca com mais de 1.800 livros sobre o principal esporte nacional, Domingos D'Angelo gentilmente abriu as portas de sua casa e de sua biblioteca para o site Ludopédio, concedendo um entrevista repleta de histórias, causos e muita sabedoria...
Como surgiu a ideia de colecionar livros de futebol?
Não sei precisar quando começou, mas acho que deve ser por volta de 1962. Nesta época, li o livro "Drama e Glória dos Bicampeões", do Armando Nogueira e Araújo Neto. Este foi o primeiro livro sobre futebol que li. O livro traz os bastidores da Copa do Mundo de 1962...
Como é a organização e posicionamento dos livros em sua biblioteca?
Tem uma estrutura. Aqui, nesta parte, é sobre clubes. Nesta outra, é história de campeonatos e enciclopédias. Aqui, é mais a parte de linguagem, dicionários, essas coisas. Naquela prateleira tem coisas sobre Seleção Brasileira e Copa do Mundo. Mas preciso fazer uma reclassificação. Tenho uma lista em Excel. Aprendi a mexer no computador com um professor, o Márcio. Foi ele quem disse para fazer uma lista dos livros no Excel. Ele criou essa planilha, com as colunas: título, autor, editora, ano, cidade, número de páginas, depois coloquei uma coluna com a data de quando comprei o livro e botei uma classificação: BNH (Biografias, Narrativa e História), mas tenho que separar isso; outra é CRF (Crônica, Romance e Ficção). Essa talvez possa manter, mas tem que ter, por exemplo, uma categoria: clubes. Outra só com biografias. História, Almanaques, ou seja, uma nova classificação. Vai dar muito trabalho, afinal, são mais de 1.800 livros. E também precisa fazer uma limpeza. .. ENTREVISTA INTERESSANTE...

Não deveriam ter sido deixados de lado autores como: Roberto Da Matta, Roberto Assaf, Thomaz Mazzoni, Edilberto Coutinho, Armando Nogueira, João Máximo, João Saldanha e mais uns 50 autores, mas aí não caberia nesse blog...

... e NELSON MARTINS DE ALMEIDA, o qual sob a supervisão de Thomaz Mazzoni, em 1957 edita o "Álbum Futebolístico de São Paulo"

__________________________________

Maravilhoso o trabalho de Antonio D'Angelo. Sua dedicação durante décadas. O cuidado pela organização do acervo. Agora o desprendimento por tornar sua biblioteca pública. No acervo, creio que o Álbum Futebolístico de São Paulo, edição 1957 de Nelson Martin de Almeida (pai desta que subscreve a coletânea de textos resgatados via internet) ocupe lugar de destaque, dado a profundidade como fora tratado nas suas 800 páginas.

Em breve estarei visitando o local e retratando imagens para complementar estas linhas.

Magnífico trabalho que o município e o Estado de São Paulo promovem à população.   Acompanhe também ACOMPANHE TAMBÉM HISTORIADOR NELSON MARTINS DE ALMEIDA




_________________________________
postagem e comentários de  Inajá Martins de Almeida

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...